Por que o divórcio aumentou entre casais depois dos 50 anos?

por | abr 19, 2023 | Divórcio | 0 Comentários

O número de divórcios entre casais com mais de 50 anos de idade quase dobrou nos últimos 10 anos, segundo os dados do IBGE. O que até alguns anos atrás era impossível de se realizar, até 1977 não era possível se divorciar no Brasil, está virando tão popular que já ganhou o nome de “divórcio grisalho”. Ficou preocupada com o futuro do seu casamento? Calma, vamos entender melhor esse processo, me siga neste artigo.
1 – O que faz as pessoas a partir dos 50 anos tomarem a decisão de se divorciar?
2 – O divórcio tem relação com a aposentadoria?
3 – No que a lei contribuiu para o aumento dos divórcios?
4 – Dicas para lidar com a separação nessa fase da vida

O que faz as pessoas a partir dos 50 anos tomarem a decisão de se divorciar?

Já pararam para pensar que as pessoas morriam muito mais cedo e que o casamento não foi pensado para durar tanto tempo? Pois é, atualmente a expectativa de vida aumentou muito, surgiram novos desafios e também possibilidades de refazer a vida após os 50 anos. A proximidade da velhice nos faz rever nossas condições de vida e fazer um balanço do que vivemos até o momento. Além disso, algumas questões podem ser motivadoras da separação como saída dos filhos de casa, doenças, redução da atividade e a liberdade que se tem hoje.

O divórcio tem relação com a aposentadoria?

Por um lado ele é um dos motivos que pode desencadear uma separação entre os casais. Para alguns significa a independência financeira, para outros o despertar da finitude da vida e começa a refletir sobre como quer passar o resto dos anos que lhe resta. A aposentadoria representa o fim da carreira profissional e isso também acaba fazendo com que o casal passe mais tempo junto e perceba que não tem tanto em comum como imaginavam.

Mesmo no caso das mulheres que não trabalharam para cuidar da casa, hoje a legislação resguarda essas mulheres que não desempenharam atividades laborativas, ao determinar pagamento de pensão, assim como trata da questão patrimonial de maneira técnica, sem deixar-se contaminar pelos preconceitos e posturas sociais.

No que a lei contribuiu para o aumento dos divórcios?

Resgatando a história da nossa legislação, vamos entender como se deu a possibilidade do divórcio:
– 1916: Desquite, previsto no art. 315, III, do chamado Código Civil dos Estados Unidos do Brasil.
– 1977: Lei do Divórcio (lei nº. 6.515), que apresenta o final da relação conjugal em duas fases. Primeiro o casal passava pela separação judicial de fato ou de direito e, após um ou três anos (dependia da modalidade da separação), o ex-casal poderia requerer o divórcio. Ou, ainda, poderia ser solicitado o divórcio direto, contados cinco anos da separação de fato.
– 1988: A Constituição Federal modificou o tratamento dado ao divórcio, diminuindo os prazos para finalizar a relação conjugal.
– 2007: A lei 11.441 possibilitou a realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por via administrativa, ou seja, em cartório. Existem alguns requisitos para os divórcios e o principal deles é que as partes estejam em total consenso e não podem ter filhos menores. Além disso, mesmo na via extrajudicial, é obrigatória a participação de um advogado.
– 2010: Emenda Constitucional 28/2009 retira a obrigatoriedade da separação como passo requisito prévio do divórcio.

Dicas para lidar com a separação nessa fase da vida

  • Reflita com calma e pense bem antes de tomar qualquer iniciativa, pois essa decisão não deve ser apenas emocional. Tem que avaliar se essa é a melhor opção para viver melhor, feliz e realizada.
  • Tenha um projeto de vida após o divórcio. Você pode montar um plano para organizar como vai ficar sua vida financeira. A separação envolve muita negociação, é necessário tentar chegar a acordos satisfatório para os dois lados.
  • Fortaleça sua rede de apoio, pois é um momento no qual precisamos contar com amigos e familiares. Busque ajuda profissional se sentir que não está conseguindo uma boa adaptação.
  • Concentre-se nos seus sonhos e desejos, é momento de buscá-los para realizá-los no que for possível. Focar em você, construir novas metas, experimentar novos caminhos pode fazer bem e ajudar nessa fase.
  • Procure iniciar uma atividade física ou um novo hobby.
  • Seja paciente com as novas regras e a relação que será possível após a separação. Muitas vezes é preciso ajuste para que todos se adaptem, principalmente quando envolve filhos, mesmo que já sejam adultos eles também são afetados pela decisão.
  • Saiba que você estará sozinha em alguns momentos e vai precisar dar conta dessa nova fase, mas que ela pode ser engrandecedora do seu autoconhecimento para recomeçar. Aproveite sua liberdade de forma prazerosa.

Gostou de saber sobre esse conteúdo? Faça uma perguntinha que responderei brevemente.
Ah, quer saber mais, acesse meu Instagram @daniellesantosadvogada, tem vários assuntos sobre o direito de família e sucessões.

O texto acima é meramente informativo, o seu caso deverá ser analisado através da consulta com o advogado especialista em Direito de Família.

Posso receber dano moral por traição?

A questão de pedir dano moral na justiça brasileira por traição conjugal é um tema complexo e sensível. Atualmente, não existe uma legislação específica no Brasil que estabeleça o direito de indenização por traição conjugal. No entanto, é importante ressaltar que as...

O devedor de pensão alimentícia realmente pode ser preso? Tenho minhas dúvidas

A resposta é SIM! Veja que recentemente o atacante Douglas Costa, ex-Grêmio e atualmente no Los Angeles Galaxy, dos Estados Unidos, teve a prisão decretada por não pagamento de pensão alimentícia. No Brasil, a falta de pagamento da pensão alimentícia pode resultar na...

Como criar o filho de outra pessoa legalmente?

Várias situações podem ocorrer numa família e eu entendo que existem configurações familiares de tios que criam sobrinhos, avós criando netos, naquela maneira informar que ocorre no Brasil, mas que não configura uma adoção de fato. Porém temos o que chamamos adoção à...

Quando um filho pode perder o direito à pensão alimentícia?

O pai diz ao filho: não tenho mais a obrigação de pagar a sua pensão alimentícia por você ter completado 18 anos, então procure trabalhar.Hum, é rotineiro está situação, sabia?Mas perder o direito à pensão alimentícia não é simples, pode ficar tranquilo. A perda deste...

Quais os direitos que envolvem as mães?

Os direitos da maternidade são uma importante área de proteção das mulheres e crianças. O Estado garante uma série de direitos às mulheres que estão grávidas ou que acabaram de ter filhos, a fim de proteger tanto a mãe quanto a criança em questão. Vamos entender sobre...

É verdade que a pensão alimentícia pode ter percentuais de valores desiguais para cada filho?

Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) se manifestou sobre a fixação de percentuais de pensão alimentícia desiguais entre filhos do mesmo casal, estabelecendo algumas diretrizes para o tema. Em geral, o percentual de pensão alimentícia é calculado com base...

Como identificar e prevenir a alienação parental?

O dia de combate à alienação parental, celebrado em 25 de abril, é uma iniciativa importante, pois ajuda a conscientizar a população sobre os efeitos negativos da alienação parental na vida das crianças e dos adolescentes. Além disso, essa data reforça a importância...

Meu companheiro não quer reconhecer a união estável, o que eu faço?

O amor da sua vida, com quem você divide o lar com intuito de formar família acha que não precisa formalizar a união estável? Principalmente os homens, muitas vezes, acredita que não faz sentido regularizar a união estável porque ela por si só já é assegurada caso...

Como a lei que institui a Delegacia da Mulher 24 horas pode ajudar no combate à violência

A violência estruturante da desigualdade de gênero atinge as mulheres de diversas formas, viola seu direito à vida, à saúde e à integridade física. Isso requer do estado brasileiro ações garantir tratamento humano para as mulheres, uma delas é o papel da polícia no...

Idoso tem direito a pensão alimentícia?

Envelhecer não é tarefa fácil, principalmente no nosso país que tem se mostrado etarista quando vemos episódios de aversão à pessoa idosa. É um momento da vida onde a falta se constitui pela perda da condição de produtividade, com consequências importantes...

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *